Veja dicas para evitar
o câncer de pele

O verão pode até ter acabado, mas os dias de sol e
calor seguem firmes nesse começo de outono. Por
isso, todo cuidado é pouco quando se trata de pele. 

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA),
o câncer de pele é o tipo mais constante no Brasil,
correspondendo a 30% dos tumores malignos
registrados anualmente.

Por isso, é necessário prestar atenção quando se
trata de calor e sol, que podem causar problemas
na pele. 

Isso porque, além de questões genéticas, a
exposição ao sol de maneira prolongada, repetida
e sem a proteção adequada ainda é o principal
fator desencadeante da doença. 

OUTROS INDÍCIOS:
O carcinoma basocelular, o mais frequente,
apresenta áreas com protuberância, borda elevada
e cor mais avermelhada. 

Já o carcinoma espinocelular, segundo mais
frequente e mais agressivo que o primeiro, tem
aparência endurecida - algo como uma úlcera que
lembra um machucado e não cicatriza. 

As regiões mais comuns para o aparecimento dos
carcinomas são as áreas mais expostas ao sol,
como rosto, cabeça, pescoço, nariz, lábios e dorso
das mãos.

TRATAMENTOS E SINAIS
Variam conforme o estágio e tipo de câncer, que vão
desde cauterizações, aplicações de ácido, nitrogênio
líquido e cirurgia. 

Por isso, vale prestar atenção nas pintas do corpo.
“Existe uma regra para suspeitarmos da pinta, que
é a regra do ABCDE”, explica o dermatologista José
Roberto Fraga Filho.

As letras significam:
Assimetria
Bordas irregulares
Cores diferentes na mesma pinta
Diâmetro da pinta maior que 0,6 cm
Evolução (se a pinta está crescendo ou não)

CUIDADOS 
Além do uso diário de protetor solar, mesmo em
dias nublados e frios, o melhor método ainda é
evitar a exposição em horários cujo raios
ultravioletas estejam na sua maior intensidade. 

Logo, evite o sol da manhã, que vai das 10h até
às 16h.

TEXTO: Karla Precioso
REVISÃO: Ana Mota/Vivian Ortiz
EDIÇÃO: Caroline Duarte 
SUPERVISÃO: Vitor Balciunas 
CRÉDITOS: Tenor, Pixabay e Unsplash

CLIQUE AQUI